×

Geninho reconhece atuašŃo ruim do Vitˇria e avalia Capa e Matheus Rocha


Geninho reconhece atuašŃo ruim do Vitˇria e avalia Capa e Matheus Rocha

O técnico Geninho conheceu sua terceira derrota no comando do Vitória nesta sexta-feira. No Independência, o Rubro-Negro perdeu por 2 a 1 para o América-MG (confira os melhores momentos da partida no vídeo acima), resultado que faz o time baiano depender de tropeços dos rivais diretos para se ver livre da ameaça de rebaixamento já nesta rodada.

O técnico Geninho reconheceu que o time não se apresentou bem. Os laterais Capa e Matheus Rocha, escalados por conta dos desfalques de Thiago Carleto e Van, respectivamente, ganharam avaliações individuais do treinador, que apontou a falta de ritmo como uma justificativa para as atuações ruins.

- Time tentou jogar. Capa tem a seu favor o fato de vir há mais de um mês sem fazer uma partida. Sentiu a falta de ritmo. O próprio Matheus Rocha sentiu também. Não são só os dois. Até jogadores mais experientes não fizeram uma partida do nível que estamos acostumados. Lucas e Gedoz participaram muito, mas participaram pouco de jogadas efetivas. Anselmo Ramon ficou perdido no meio de dois zagueiros. Era jogo de bola enfiada, não para bola de domínio. Por isso troquei para um jogador de velocidade [Eron]. Não tivemos medo do adversário. Infelizmente não fizemos uma partida do nível que estávamos fazendo.
 

Geninho escalou um time com três zagueiros, modelo que deu certo diante da Ponte Preta. Ele afirmou que, diferentemente do que ocorreu em Campinas, a formação não surtiu o efeito esperado, e o Vitória acabou vulnerável, principalmente diante das jogadas laterais do América-MG.

- Estávamos usando dois laterais sem ritmo de jogo. Eles tiveram dificuldades jogando com três zagueiros, na recomposição. Mesmo com três zagueiros, o América-MG jogou muito pelo lado. O segundo gol veio de jogada de lado. A gente fortaleceu a marcação, deu suporte aos laterais, para que eles pudessem fazer o que têm de melhor. Eles são jogadores de apoio, não de marcação. Eles têm deficiências na marcação. Tinha até mesmo a preocupação de jogar com a linha de quatro. Com Van, que vinha jogando, teria a opção de jogar como estávamos jogando. Mas isso tudo é teoria. A gente imagina, mas depende do que acontece no jogo, que não ocorreu da forma que a gente esperava.

Com a derrota em Minas Gerais, o Vitória estagnou nos 42 pontos e precisa secar rivais diretos para se ver livre da ameaça de rebaixamento já nesta rodada. Caso o risco de degola persista, o time baiano enfrentará o Operário-PR na próxima terça-feira precisando de um empate para garantir matematicamente a permanência na Série B.

- Se você for pensar, temos duas partidas para fazer um ponto. Podemos fazer seis. Depende daquilo que a gente vai tentar produzir dentro de campo. Nós viemos aqui tentando buscar esses três pontos e matar essa angústia toda. De repente, até um ponto poderia, aqui, nos dar... Conforme fosse a rodada, nós poderíamos sair classificados daqui com um ponto quando terminasse a rodada. Infelizmente, não aconteceu. Nós sabíamos o risco que corríamos. Nós jogamos contra um time que está brigando diretamente para subir. O Operário-PR vai ser outra parada difícil. Depois nós temos o Coritiba, que muito provavelmente, vai definir sua vida lá. Então, quanto mais cedo a gente atingir o nosso objetivo, melhor. E estamos tentando isso. Só não pode falar que hoje o time não correu, não lutou, não batalhou, não tentou. A gente tenta, mas nem sempre você consegue – avaliou Geninho.

A partida entre Vitória e Operário será realizada no estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa. Na sequência, o time baiano terá 11 dias de preparação até o jogo contra o Coritiba, no Barradão, pela última rodada da Série B.

Confira outras declarações de Geninho

A partida
- Foi um resultado que nós não gostaríamos de estar curtindo agora. Nossa esperança era levar pelo menos um ponto, queríamos fazer o resultado. Tivemos dificuldades com o sistema inicialmente usado, com três zagueiros. Meus laterais jogaram inibidos. A gente precisava ter velocidade pelos lados. Tínhamos que ter mais volume pelo lado, Matheus e Wesley, Eron e Capa. Capa não fez uma boa partida. Sentiu muito. O time sentiu bastante, não evoluímos da maneira como tínhamos evoluindo em outras partidas. A gente dependeu muito das bolas enfiadas. Algumas bolas que conseguimos acertar, tivemos índice de erro de passe muito grande. Tivemos dois lances do Wesley muito bons. Uma bateu na trave, oura ele optou por chutar no gol. Não foi um mal jogo, foi um jogo em que criamos, poderíamos ter um resultado melhor, mas pecamos. Tomamos dois gols em lances que normalmente não tomaríamos. A primeira bola parada, a segunda meu zagueiro estava fora, não houve recuperação da zaga. Hoje infelizmente perdemos por cometer erros.

Entrega dos jogadores
- 
Isso [a entrega dos jogadores] tem que ser elogiado. O pessoal dá o máximo. Às vezes, consegue. Isso é uma coisa normal no ser humano. Não é todo dia que, de repente, um jogador joga bem. Às vezes, ele joga bem. Às vezes, ele erra. Às vezes, ele faz um jogo médio. Infelizmente, hoje nós não fizemos um jogo ao nível daquilo que a gente poderia jogar. Essa entrega, essa luta, essa determinação, não pode ser, de maneira alguma, cobrada do grupo.

 

 

Autor: ,postado em 16/11/2019


Comentários

Não há comentários para essa notícia

Mande uma Resposta

Arquivos

  • Novembro de 2019
  • Outubro de 2019
  • Setembro de 2019
  • Agosto de 2019
  • Julho de 2019
  • Junho de 2019
  • Maio de 2019
  • Abril de 2019
  • Mar´┐Żo de 2019
  • Fevereiro de 2019
  • Janeiro de 2019
  • Dezembro de 2018
  • Novembro de 2018
  • Outubro de 2018
  • Setembro de 2018
  • Agosto de 2018
  • Julho de 2018
  • Junho de 2018
  • Maio de 2018
  • Abril de 2018
  • Mar´┐Żo de 2018
  • Fevereiro de 2018
  • Janeiro de 2018
  • Dezembro de 2017
  • Novembro de 2017
  • Outubro de 2017
  • Setembro de 2017
  • Agosto de 2017
  • Julho de 2017
  • Junho de 2017
  • Maio de 2017
  • Abril de 2017
  • Mar´┐Żo de 2017
  • Fevereiro de 2017
  • Janeiro de 2017
  • Dezembro de 2016
  • Novembro de 2016
  • Outubro de 2016
  • Setembro de 2016
  • Agosto de 2016
  • Julho de 2016
  • Junho de 2016
  • Maio de 2016
  • Abril de 2016
  • Mar´┐Żo de 2016
  • Fevereiro de 2016
  • Janeiro de 2016
  • Dezembro de 2015
  • Novembro de 2015
  • Outubro de 2015
  • Setembro de 2015
  • Agosto de 2015
  • Julho de 2015
  • Junho de 2015
  • Maio de 2015
  • Abril de 2015
  • Mar´┐Żo de 2015
  • Fevereiro de 2015
  • Janeiro de 2015
  • Dezembro de 2014
  • Novembro de 2014
  • Outubro de 2014
  • Setembro de 2014
  • Agosto de 2014
  • Julho de 2014
  • Junho de 2014
  • Maio de 2014
  • Abril de 2014
  • Mar´┐Żo de 2014
  • Fevereiro de 2014
  • Janeiro de 2014
  • Dezembro de 2013
  • Novembro de 2013
  • Outubro de 2013
  • Setembro de 2013
  • Agosto de 2013
  • Julho de 2013
  • Junho de 2013
  • Maio de 2013
  • Abril de 2013
  • Mar´┐Żo de 2013
  • Fevereiro de 2013
  • Janeiro de 2013
  • Dezembro de 2012
  • Novembro de 2012
  • Outubro de 2012
  • Setembro de 2012
  • Agosto de 2012
  • Julho de 2012
  • Junho de 2012
  • Maio de 2012
  • Abril de 2012
  • Mar´┐Żo de 2012
  • Fevereiro de 2012
  • Janeiro de 2012
  • Dezembro de 2011
  • Novembro de 2011
  • Outubro de 2011
  • Setembro de 2011
  • Maio de 2011
  • Mar´┐Żo de 2011
  • Agosto de 2010
  • Janeiro de 2006
  • Dezembro de 0
  • Publicidade