×

Austrália e Nova Zelândia propõem mudanças profundas com Copa de 2023


Austrália e Nova Zelândia propõem mudanças profundas com Copa de 2023

É com essa frase que a candidatura - e agora sede da Copa do Mundo feminina de 2023 – abriu seu caderno de apresentação. A proposta é bem mais que a divulgação de fatos dos dois países, informações sobre locais ou desenho da estrutura local. A "As One" propõe uma ideia de um novo cenário para a modalidade não só nos locais envolvidos, mas na região Ásia/Pacífico como um todo. O objetivo é também encontrar novas soluções comerciais para a Fifa e, com isso, tornar a próxima edição do Mundial na maior de todas.

No projeto, a Copa do Mundo tem quatro pilares: futebol, mulheres e meninas, Fifa, jogadoras e fãs. Dentro deles, ações a serem desenvolvidas. Vale ressaltar novamente que toda a ideia não se baseia somente em abrigar a competição. O desafio imposto pela As One a si mesma é a evolução. Por isso, estabelece metas grandiosas.

O primeiro item traz intenções como contribuir com o projeto da Fifa de até 2026 ter 60 milhões de mulheres e garotas jogando futebol no mundo. Para isso, a Austrália quer ter até 2027 uma divisão de 50/50 de atletas registrados no país, ou seja, uma igualdade entre os dois gêneros na modalidade. A Nova Zelândia coloca o foco em seguir impulsionando 7% ao ano o crescimento do futebol feminino no país. Em parceria com a Fifa, AFC e OFC e governos, ainda entregar programas que possam expandir os programas de participação na região Ásia/Pacífico. O documento prevê também implementar iniciativas aprimoradas de marketing que aumentem o valor e visibilidade da modalidade.

Comemoração da vitória da candidatura As One à Copa de 2023 na opera house — Foto: REUTERS/Loren Elliott

Comemoração da vitória da candidatura As One à Copa de 2023 na opera house — Foto: REUTERS/Loren Elliott

O segundo pilar foca em mulheres e meninas e visa proporcionar um impacto social profundo e duradouro na região Ásia-Pacífico. Mudar a cara da sociedade através do futebol. A ousadia no pensamento é um alento em tempos de busca pelo protagonismo cada vez mais forte do esporte feminino. Austrália e Nova Zelândia querem se posicionar como polos globais dessa promoção. Para isso, desejam algo mais amplo: fazer programas regionais de liderança, desenvolvimento profissional e participação social de mulheres em todo o sistema. Identificar e desenvolver lideranças femininas no futebol. Construir com base nos fundamentos estruturais já existentes nos dois países de igualdade, diversidade e inclusão de gênero, como o programa descreve.

Comemoração da vitória da As One — Foto: TWITTER

Comemoração da vitória da As One — Foto: TWITTER

Na Austrália, de acordo com o projeto, a Copa de 2023 irá acelerar o alcance do plano de ação de igualdade de gênero da Federação Australiana de Futebol (FFA) – no final de 2019 a entidade assinou um acordo para que as jogadoras da seleção feminina ganhem o mesmo salário base da masculina - por meio de estabelecimento de academias para meninas pela Austrália, aumento dos torneios das seleções de base e partidas. Cobertura total dos campeonatos nacionais femininos no país. Na Nova Zelândia, a organização diz que aumentará a conscientização e continuará a desenvolver o futebol e futsal femininos por meio de uma base forte de treinadoras, jogadoras, administradoras e arbitragem, expansão das competições nacionais, desenvolvimento de talentos e mais jogos de alto nível para a seleção nacional do país.

A "As One" prevê também ações em auxílio à Fifa. O principal proposto é desbloquear o valor comercial do Mundial, ou seja, fornecer um nível de investimento sem precedentes no evento principal. As garantias são dadas também pelos governos Austrália e Nova Zelândia, que prometem investimentos significativos. A ação engloba ainda um investimento do setor corporativo em direitos de mídia e patrocínio. Para se ter ideia do potencial, atualmente, a W-League (liga feminina australiana) e a seleção australiana (Matildas) têm um total de 12 patrocinadores.

Vitória como sede ocupa a primeira página de jornal australiano The Daily Telegraph — Foto: reprodução

Vitória como sede ocupa a primeira página de jornal australiano The Daily Telegraph — Foto: reprodução

A candidatura, e agora sede, sugere que a partir da competição, serão abertas portas de investimentos da Fifa na região Ásia Pacífico. Detalhe interessante: o projeto promete a programação dos horários das partidas de forma que maximize a exposição em outras regiões das transmissões. Nos estádios, a expectativa é de público recorde de 1,5 milhão de pessoas.

Nos dois países, até 100 locais de treinamento se beneficiarão do investimento em iluminação aprimorada, atualizações de instalações voltadas para mulheres e melhorias nos campos. Através da Australian Football Foundation, um fundo de futebol feminino será estabelecido para permitir o aumento da participação popular de mulheres e meninas.

O último pilar prega o acolhimento em alto nível e a diversão aos fãs. No centro da Copa do mundo feminina de 2023 estarão as melhores jogadoras de futebol do mundo demonstrando seu melhor em um ambiente de classe mundial e desfrutando do apoio da equipe da casa durante todo o torneio, celebra o projeto.

Ao todo, serão 13 estádios em 12 cidades-sede. Há o compromisso de viagens equivalentes para todas as seleções para que não haja desvantagens entre as equipes. Todos os confrontos serão jogados em grama natural. O jogo de abertura será em Auckland. Na Austrália, a competição será inaugurada no dia seguinte, em Sydney. Em relação aos preços dos ingressos, a proposta é vender a 5 dólares para crianças e, no geral, colocar os valores de todas as entradas em até 90 dólares.


A cidades que serão sedes — Foto: reprodução

Ao contrário da falta de garantias do governo brasileiro e a consequente retirada da candidatura, os governos de Nova Zelândia e Austrália estiveram completamente envolvidos na luta por abrigar a Copa do Mundo. Jacinda Arden, primeira-ministra da Nova Zelândia, chegou a ligar pessoalmente às federações para apresentar o projeto e angariar votos. Ao final, a celebração em um comunicado conjunto com o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison.

- A competição de 2023 será a maior e sem dúvidas a melhor Copa do Mundo feminina que já foi organizada.



 

Autor: ,postado em 29/06/2020


Comentários

Não há comentários para essa notícia

Mande uma Resposta

Arquivos

  • Agosto de 2020
  • Julho de 2020
  • Junho de 2020
  • Maio de 2020
  • Abril de 2020
  • Mar�o de 2020
  • Fevereiro de 2020
  • Janeiro de 2020
  • Dezembro de 2019
  • Novembro de 2019
  • Outubro de 2019
  • Setembro de 2019
  • Agosto de 2019
  • Julho de 2019
  • Junho de 2019
  • Maio de 2019
  • Abril de 2019
  • Mar�o de 2019
  • Fevereiro de 2019
  • Janeiro de 2019
  • Dezembro de 2018
  • Novembro de 2018
  • Outubro de 2018
  • Setembro de 2018
  • Agosto de 2018
  • Julho de 2018
  • Junho de 2018
  • Maio de 2018
  • Abril de 2018
  • Mar�o de 2018
  • Fevereiro de 2018
  • Janeiro de 2018
  • Dezembro de 2017
  • Novembro de 2017
  • Outubro de 2017
  • Setembro de 2017
  • Agosto de 2017
  • Julho de 2017
  • Junho de 2017
  • Maio de 2017
  • Abril de 2017
  • Mar�o de 2017
  • Fevereiro de 2017
  • Janeiro de 2017
  • Dezembro de 2016
  • Novembro de 2016
  • Outubro de 2016
  • Setembro de 2016
  • Agosto de 2016
  • Julho de 2016
  • Junho de 2016
  • Maio de 2016
  • Abril de 2016
  • Mar�o de 2016
  • Fevereiro de 2016
  • Janeiro de 2016
  • Dezembro de 2015
  • Novembro de 2015
  • Outubro de 2015
  • Setembro de 2015
  • Agosto de 2015
  • Julho de 2015
  • Junho de 2015
  • Maio de 2015
  • Abril de 2015
  • Mar�o de 2015
  • Fevereiro de 2015
  • Janeiro de 2015
  • Dezembro de 2014
  • Novembro de 2014
  • Outubro de 2014
  • Setembro de 2014
  • Agosto de 2014
  • Julho de 2014
  • Junho de 2014
  • Maio de 2014
  • Abril de 2014
  • Mar�o de 2014
  • Fevereiro de 2014
  • Janeiro de 2014
  • Dezembro de 2013
  • Novembro de 2013
  • Outubro de 2013
  • Setembro de 2013
  • Agosto de 2013
  • Julho de 2013
  • Junho de 2013
  • Maio de 2013
  • Abril de 2013
  • Mar�o de 2013
  • Fevereiro de 2013
  • Janeiro de 2013
  • Dezembro de 2012
  • Novembro de 2012
  • Outubro de 2012
  • Setembro de 2012
  • Agosto de 2012
  • Julho de 2012
  • Junho de 2012
  • Maio de 2012
  • Abril de 2012
  • Mar�o de 2012
  • Fevereiro de 2012
  • Janeiro de 2012
  • Dezembro de 2011
  • Novembro de 2011
  • Outubro de 2011
  • Setembro de 2011
  • Maio de 2011
  • Mar�o de 2011
  • Agosto de 2010
  • Janeiro de 2006
  • Dezembro de 0
  • Publicidade